Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

15
Ago18

O meu portal privado para Narnia


Hikarry

Quem me conhece sabe que, se há coisa que eu não sou, é organizada. Quer dizer, parte de mim é organizada e a outra não.

Por exemplo, o meu guarda-roupa e a minha agenda são extremamente organizados enquanto todo o resto na minha vida são o completo caos. O completo portal para a minha Narnia pessoal, sendo esse portal, maioritariamente, localizado no meu quarto.

Quem entrar no meu quarto - sem eu ter sido avisada com antecedência da sua chegada - não vai perceber nada do que se passa ali.

Na minha escrivaninha, a única coisa organizada são o meus livros, todo o resto está onde Deus assim o quis. Na beira da minha cama estão os casacos que eu planeio vestir durante a semana e no chão estão os ténis que eu mais uso e os chinelos com orelhinhas que eu uso a toda a hora quando ando por casa - quando não me apetece andar descalça. Para não falar da mala - aquela das antigas que os velhos tinham para guardar coisas - que é o meu mostruário de malas, mochilas, t-shirts e calças.

Até a minha maquilhagem é uma extrema confusão, pois está literalmente dividida em duas caixas, mas eu entendo-me! Eu compreendo a minha confusão e consigo encontrar tudo o que quero! O pior é quando me arrumam as coisas!

Quando me arrumam as coisas, eu consigo passar horas à procura do maldito do paninho para limpar os óculos!

E depois há o típico "Ó MÃE!" que se segue de um pedido desesperado - ou chateado - por algo que me faz falta e agora está escondido sabe-se lá onde.

Não me vejam como uma pessoa desarrumada - que sou -, eu arrumo as coisas, mas à vista da minha mãe elas estão sempre desarrumadas! 

Aos olhos das outras pessoas, a "arrumação" da minha mãe pode ser o certo, mas para mim, a pessoa que usa as coisas, é como se me estivessem a esconder as coisas.

O meu quarto é uma zona de guerra cá em casa, porque, sim, o quarto faz parte da casa e tem tanto que estar organizado como o resto da casa, mas eu vivo tão bem e tão organizadamente com o meu portal para Narnia.

Eu sei que não sou a única - eu sinto os vossos olhares julgadores -, pois conheço muita gente que chega a ser muito mais desorganizada que eu, mas também conheço gente que é tão perfeccionista que uma coisa está 1mm fora do lugar e elas já estão a passar-se.

Muitas vezes a minha mãe pergunta-me "Filha, não tens vergonha de seres tão desarrumada?".

Mãe, este paragrafo é especificamente para ti: Tenho tanta vergonha que acabei de gozar com o facto de que sou extremamente desarrumada na net.

14
Ago18

Ansiedades de compras


Hikarry

Se há coisa que todo o ser humano faz regularmente é ir ás compras. Não é necessário ser num supermercado, tanto como pode ser mercadinho da aldeia como na loja de roupa do shopping, é tudo a mesma coisa. Há sempre aquele momento de ansiedade que me apanha. Aquele momento que me faz pensar duas vezes se quero mesmo entrar ali. Mas uma pessoa precisa de comer, não é?

Primeiro, eu tenho um pouco daquele complexo de pensar que toda a gente está sempre a olhar para a mim e a julgar-me a cada passo que dou, por isso é que ainda tenho um pouco de dificuldade de andar sozinha em sítios desconhecido com muita gente, o que vai ser uma enorme dor de cabeça quando eu entrar para a universidade, mas não é disso que estamos a falar agora.

Entrar num shopping sozinha já me dá uma bela de uma ansiedade, mas não é nada comparado com aquele momento.

Depois lá me distraio com as compras e acabo por me esquecer do que está á minha volta. Vá, ás vezes lá vem um click e o mundo à minha volta se volta a ligar por uns segundos, mas rapidamente tudo se torna numa névoa e parece que o mundo anda a mil à minha volta enquanto eu estou ali, na minha. Tudo corre minimamente, com a minha cabeça a tentar manter me focada nas compras e a relaxar-me e o meu coração a mil, até aquele momento: o momento de pagar.

A minha carteira é quase uma pandeireta de tantas moedas que lá tem, que eu tento despachar, mas os olhares, senhores, os olhares! Eu sei, é uma coisa parva com que preocupo, as pessoas têm que esperar e mais nada enquanto faço o meu pagamento e pego nas moedas, mas eu fico extremamente nervosa.

A cara de aborrecimento do caixa. A fila a formar-se atrás de mim. As minhas mãos começam a tremer e a minha respiração começa a acelerar. E claro, depois uma destas duas acontece: ou eu não dou o dinheiro certo, o que não é pecado nenhum, mas o meu pequeno cérebro entra involuntariamente em colapso, ou eu deixo cair as moedas todas no chão, demorando mais tempo e passando uma vergonha.

E o pior é que parece que o tempo passa em câmara lenta à minha volta enquanto eu estou num frenesim enorme.

E, muitas vezes, quando o nervosismo já é tanto e eu já só quero sair dali, eu ago por instinto e, feita parva, dou dinheiro a mais e quando o queixa diz "Olhe, desculpe, deu x a mais" eu digo "Fique com o troco" e saiu rapidamente. Claro que, mais tarde, ando a bater com a cabeça nas paredes por causa de uns cêntimos que me poderão fazer falta num futuro vindouro, mas o que está feito está feito.

Por favor, há alguém tão parvo quanto eu?

09
Ago18

Ser feliz sem motivos


Hikarry

Ontem passei o dia inteiro com febre e uma enorme dor de cabeça, não consegui ir a uma reunião que deveria ter ido, não fiz metade das coisas que deveria ter feito e eu literalmente explodia com qualquer coisinha.

Enfim, problemas, certo? Nada como uma enorme divida ou ter um grande acidente de carro, mas, mesmo assim, problemas. Mas consegui distrair-me, brinquei às bonecas com a minha própria cara, afoguei-me em Fox Comedy, passei um boa hora deitada na minha cama com o meu gato a fazer-me "massagens" nas costas enquanto tentava dormir para ver se a dor de cabeça parava.

E foi num desses momentos, com o meu gato nas minhas costas a fazer aquelas coisas esquisitas com as patinhas que os gatos fazem que senti uma espécie de luz, foi super estranho. Do nada, com a cabeça perdida em pensamentos, dei por mim a sorrir feita parva do nada e a gargalhar baixinho como uma idiota. Meus deus, à quanto tempo isso não acontecia! Eu estava feliz sem motivo nenhum! Não é que eu estivesse triste antes, estava neutra, mas do nada "BAM!" uma onda de felicidade!

Possivelmente vai demorar até que eu me sinta assim novamente, mas, quem se importa? Eu não! Porque foi tão bom sentir aquilo naquele momento!

E o melhor é que estar feliz sem motivo nenhum depende, única e exclusivamente, de nós. Não depende de nenhum fator ou de outra pessoa. Talvez ter pessoas que gostem de ti e se preocupem contigo te ajude a ter esses momentos mais vezes, mas depende tão mais de ti! E é tão bom!

 

21
Mar18

Tristeza


Hikarry

Ando triste. Ando com raiva. Ando sozinha e não me parece que vá ter a sua companhia por muito muito tempo.

O pensamento vai e volta. Vai e volta. Flutua nela. Se eu pudesse desaparecia.

Não quero falar e, ao mesmo tempo, falar é tudo o que quero.

Enfim.

15
Out17

Xadrez


Hikarry

Sem fui interessada em jogos de tabuleiro. Jogo da vida. Damas. Mas o que mais me impressiona é o xadrez. Aprendi a jogar sozinha e, embora não seja muito boa, consigo tirar um proveito tremendo de quando o jogo. Aprendi naquele jogo que costumava vir no windows 8 - ou seria o 7? Quando não tinha nada para fazer, começava a jogar contra o computador ou contra mim própria. A única coisa que me consegui tirar o aborrecimento naquela altura era o xadrez ou pintar.

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D