Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

28
Jan17

A prisão do Pânico e o Zé Ninguém


Hikarry

Comecei a ter ataques de pânico à aproximadamente dois meses e ontem aconteceu novamente. À poucas semanas tornou-se mais frequente e é uma coisa horrível, que nem desejo ao pior dos meus inimigos (ou talvez deseje, mas quero que continuem a pensar que sou uma boa samaritana).

É como se ficasses preso no teu próprio corpo, a "Prisão do Pânico". Toda eu sou tremedeira e os meus olhos ganham autonomia e começam a chorar sem o meu consentimento, por mais que tente parar. O teu corpo faz o que quer e bem lhe apetece, como um adolescente revoltado contra os pais (sendo eu própria uma adolescente). Fico com falta de ar e não me consigo mexer, mesmo que queira e a minha boca funciona sozinha. 

 

Ontem eu não estava minimamente à espera, até porque não tinha razões para pensar "Ora bolas, vou ter um ataque de pânico se continuar a fazer x", simplesmente porque eu não estava a fazer absolutamente nada que o provocasse. Estava aqui, neste mesmo banco, sentada a olhar para a postagem que ia fazer.

Nada que te deixe com tanta ânsia que te cause um ataque de pânico, correto?

Correto.

Mas a minha vida ultimamente não faz sentido mesmo. As coisas mais aleatórias têm-me acontecido (mas isso é historia para outro dia)

 

Conheço pessoas que também sobrem de ataques de pânico frequentemente, mas não contam a ninguém, pois têm medo que as outras pessoas achem que são loucas ou que se estão a fazer de coitadas.

Talvez hajam pessoas por ai que pensam o mesmo, mas não é necessário.

Também não estou a dizer para colocares um letreiro na testa a dizer "Tenho ataques de pânico!" com marcador - daqueles grossos - preto, isso é totalmente ridículo e tu podes confirmar isso pela imagem que apareceu na tua cabeça depois de eu descrever esta cena.

 

As pessoas podem ajudar-te - como os teus amigos, família - porque, certamente, há algo que te incomoda no fundo e que te está a causar isto e não há nada melhor para resolver isso (ou pelo menos acalmar) do que falar com alguém que gostes ou em quem confies, sendo que confiança é uma coisa que não deves ter muito, na minha opinião, mas, mesmo assim, com certeza há pessoas que se preocupam contigo e gostariam de tentar ajudar, mesmo que penses que és um Zé ninguém mais solitário do que uma flor no meio do deserto.

A dor do pânico é insuportável. Eu sei disso, embora eu ache que seja uma maneira do corpo tentar acalmar-te e livrar-se de uma só vez de toda a energia negativa que tens acumulada, como uma espécie de terramoto ou sismo. 

Às vezes da-mos por nós a pensar que deveríamos ficar sozinhos, isolar-nos ou até estar internados algures para fugir àquilo que nos deixa presos dentro de nós próprios, mas, infeliz ou felizmente, nós somos bichos muito esquisitos que foram programados para viver numa sociedade e tu não consegues fugir dela (por mais que queiras).

Tu nunca estás sozinho. Há pessoas ai fora, como eu, que entendem como é. Então não te sintas como o Zé Ninguém.

 

10 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Nuno

    Pois era! :)

  • Hikarry

    Uma boa comédia diária

  • Hikarry

    Ahah é espantoso o que se encontra por ai!Obrigada...

  • Hikarry

    Rir? Certamente. Também acho que é para isso que s...

  • Hikarry

    Olha que isso é que era uma ideia de valor!

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D