Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Ansiedades de compras

Se há coisa que todo o ser humano faz regularmente é ir ás compras. Não é necessário ser num supermercado, tanto como pode ser mercadinho da aldeia como na loja de roupa do shopping, é tudo a mesma coisa. Há sempre aquele momento de ansiedade que me apanha. Aquele momento que me faz pensar duas vezes se quero mesmo entrar ali. Mas uma pessoa precisa de comer, não é?

Primeiro, eu tenho um pouco daquele complexo de pensar que toda a gente está sempre a olhar para a mim e a julgar-me a cada passo que dou, por isso é que ainda tenho um pouco de dificuldade de andar sozinha em sítios desconhecido com muita gente, o que vai ser uma enorme dor de cabeça quando eu entrar para a universidade, mas não é disso que estamos a falar agora.

Entrar num shopping sozinha já me dá uma bela de uma ansiedade, mas não é nada comparado com aquele momento.

Depois lá me distraio com as compras e acabo por me esquecer do que está á minha volta. Vá, ás vezes lá vem um click e o mundo à minha volta se volta a ligar por uns segundos, mas rapidamente tudo se torna numa névoa e parece que o mundo anda a mil à minha volta enquanto eu estou ali, na minha. Tudo corre minimamente, com a minha cabeça a tentar manter me focada nas compras e a relaxar-me e o meu coração a mil, até aquele momento: o momento de pagar.

A minha carteira é quase uma pandeireta de tantas moedas que lá tem, que eu tento despachar, mas os olhares, senhores, os olhares! Eu sei, é uma coisa parva com que preocupo, as pessoas têm que esperar e mais nada enquanto faço o meu pagamento e pego nas moedas, mas eu fico extremamente nervosa.

A cara de aborrecimento do caixa. A fila a formar-se atrás de mim. As minhas mãos começam a tremer e a minha respiração começa a acelerar. E claro, depois uma destas duas acontece: ou eu não dou o dinheiro certo, o que não é pecado nenhum, mas o meu pequeno cérebro entra involuntariamente em colapso, ou eu deixo cair as moedas todas no chão, demorando mais tempo e passando uma vergonha.

E o pior é que parece que o tempo passa em câmara lenta à minha volta enquanto eu estou num frenesim enorme.

E, muitas vezes, quando o nervosismo já é tanto e eu já só quero sair dali, eu ago por instinto e, feita parva, dou dinheiro a mais e quando o queixa diz "Olhe, desculpe, deu x a mais" eu digo "Fique com o troco" e saiu rapidamente. Claro que, mais tarde, ando a bater com a cabeça nas paredes por causa de uns cêntimos que me poderão fazer falta num futuro vindouro, mas o que está feito está feito.

Por favor, há alguém tão parvo quanto eu?

13 comentários

Comentar post