Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Assassínio nos desenhos animados

Eu vejo muitos bonecos, talvez até demais.

Sou fã assumida de LadyBug, tal menina de 10 anos. Gosto muito de ver Os Ursos e O Fantástico Mundo de Gumball, também vejo cenas mais adultas como Simpsons e American Dad e sou fã incondicional da Disney, sabendo quase todas as musicas desde a musica dos anões da Branca de Neve e a musica toda gira do Flynn e da Rapunzel (porque ainda não vi vezes o suficiente a Moana - recuso-me chamar-lhe de Vaiana -, se não, também já sabia aquela cena).

Nestes últimos, há uma coisa que é muito recorrente: Morte! Morte Everywhere!

Ou é a mãe do Bambi a ser brutalmente assassinada, o Mufasa a cair de um penhasco por causa do Scar, a morte horripilante do Frollo, a cena obscura da mãe do Nemo, a morte da Ellie e eu podia ficar aqui até amanhã.

É cada cena que me deixa o coração apertado que daqui a alguns anos devo morrer de desgosto por causa da Disney!

Outra coisa muito interessante sobre estes últimos é que raramente há um pai por perto, ora vejamos:

Princesa Kida? Sem pais, ou melhor, sem qualquer ser da sua raça.

Hiro? Sem pais e o irmão morre logo no inicio do filme.

 

Kuzco? 0 pais.

Lilo? Sem pais e quem toma conta dela é a irmã mais velha e aliens.

Quasimodo? Pais mortos pelo Frollo.

Tiana? O pai morto.

 

Simba? Pai morto pelo tio, com mãe, mas foi, tecnicamente, criado por um javali e um suricata.

Rapunzel? Tem pais, mas na maior parte do filme não faz a menor ideia de quem sejam.

Aladin? Nadie,

Elsa e Ana? Pais mortos num naufrágio.

Ariel? No mama!

 

Cinderela? No papito, no mamita, apenas uma madrasta que é o estereótipo de madrasta.

Bela? Sem mãe.

Mogli? Criado por lobos!

Acham muito? 'Miguitos! Só vou para ai na metade! E é relevante frisar que só estou a falar da Disney, vou vos poupar ao genocídio dos outros desenhos animados (então se eu me metesse para aqui a falar de anime, nunca mais parava).

9 comentários

Comentar post