Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

06
Jan19

Casos misteriosos: O desaparecimento de Rebecca Coriam #5


Hikarry

Sim, dois dias depois esta rubrica volta porque...oras, porque me apeteceu e porque eu estou um pouco viciada na minha própria rubrica.

Hoje não será roubos ou assassinatos, mas o caso de uma pessoa desaparecida. Já vou avisando que é extremamente estranho e envolve uma das maiores empresas mundiais (e que eu adoro), o que o torna ainda mais interessante.

Rebecca Coriam nasceu a 11 de Março de 1987 na Inglaterra e desapareceu quando tinha 24 anos. 

As pessoas descreviam-na como uma pessoa muito alegre, energética e positiva, o que lhe valeu, para além de outras coisas, um emprego num cruzeiro turístico da Disney chamado Disney Wonder, onde ela trabalhou durante alguns meses antes de desaparecer.

A 21 de Março de 2011, eles estavam atracados em Los Angeles e estavam a preparar-se para zarpar em direção ao México. Tudo estava normal e ela até publicou uma mensagem na cronologia da mãe que dizia:

Hey mãe, espero que estejas bem...vou ligar-te amanhã...tenho saudades tuas. Beijos

Infelizmente, esse telefonema nunca chegou a acontecer. 

12 horas depois do navio zarpar, os pais dela começaram a ficar preocupados porque a Rebecca ainda não tinha telefonado, o que era estranho dela, porque ela era muito próxima dos pais e ligava-lhes constantemente. 

Segundo o depoimento de alguns companheiros de bordo, na noite do dia 21 eles tinham ido ao bar do navio e ela estava muito feliz e divertida como sempre e a ultima vez que ela seria vista por uma pessoa foi às 2 da manhã do dia 22. 

Na manhã seguinte do dia 22, o turno dela ia começar às 9h, mas ela nunca apareceu. Isso fez com que toda a gente começasse a ficar muito preocupada e começaram a chama-la pelo intercomunicador, verificaram o camarote dela e os sítios onde ela costumava estar quando estava fora do turno, mas não a encontraram em lado nenhum ou obtiveram algum tipo de resposta. 

Um dos camaradas dela decidiu ir verificar as câmaras de segurança e às 5:45 da manhã as câmaras gravaram-na vestida com roupas super largas em que ela parecia estar muito desconfortável pela maneira como as puxava de si própria e estava ao telemóvel com alguém, sendo que a conversa não parecia estar a correr muito bem, já que ela parecia estar muito revoltada. 

Na filmagem também apareceu um homem que se aproximou dela e perguntou se ela estava bem, ao que ela respondeu que sim e saiu a correr com as mãos na cabeça.

Demorou 4 horas para que o capitão do navio informasse a marinha americana de que um membro da tripulação tinha desaparecido, 5 horas para informar a marinha mexicana do mesmo, 7 horas para informar as autoridades das Bahamas, que foi onde ela desapareceu e nem voltaram para trás, para verificar se ela tinha caído do navio, o que é um protocolo seguido sempre que há essa suspeita ou possibilidade. 

A Disney continuou o cruzeiro como se nada tivesse acontecido e voltou a Los Angeles no dia em que era suposto, o que mostrou um desinteresse por parte da empresa em descobrir o que raios aconteceu a um dos seus empregados. 

Quando o navio chegou a LA, os pais já tinham sido informados do desaparecimento da Rebecca. Eles foram levados para o navio num carro com os vidros escurecidos, foram falar com o capitão, que lhes deu a cada um um bolo e disse-lhes que a Rebecca tinha caído do navio. Quando os pais pediram por mais detalhes, o capitão disse que eles tinham encontrado um par de chinelos no quinto convés junto da piscina da tripulação. Ele afirmou que a Rebecca tinha sido puxada para o mar por uma onda mais forte, mas os pais não acreditaram.

As Bahamas enviaram apenas um detetive que não fez nenhuma investigação forense e apenas entrevistou alguns membros da tripulação o que demorou apenas um dia. Depois de um dia, ele deu a sua investigação como terminada. 

Os pais foram buscar os pertences da filha e quando lhe deram os chinelos, eles repararam que estava um nome - que não era da filha - escrito a caneta num dos lados de um dos chinelos, eles nem eram do tamanho dela e eram cor de rosa, cor que ela detestava, ou seja, aqueles chinelos nem eram da Rebecca. 

O detetive deu a mesma justificativa que o capitão e os pais não aceitaram, então contrataram dois investigadores privados que até hoje estão a trabalhar no caso. 

Num dos primeiros relatórios, os detetives escreveram que seria impossível ela ter sido arrastada por uma onda, já que a onda teria que ser de tamanho exorbitante para chegar perto das grades que mantinham as pessoas no barco, para não falar que a tal piscina de onde ela tinha desaparecido era no quinto andar do navio. Essa onda teria criado alguns estragos no navio, o que não aconteceu.  E outra coisa que não faz sentido é ela ter sido arrastada para o mar pela tal onda, mas os chinelos terem ficado no convés. 

A Novembro de 2011, um jornalista, Jon Ronson, contactou os pais de Rebecca e informou-os que ele ia embarcar no Disney Wonder e tentar descobrir o que tinha acontecido com a filha deles. 

Ele fez algumas perguntas aos membros da tripulação e a respostas que mais o surpreendeu quando ele perguntou o que tinha acontecido à Rebecca, foi a de um homem que disse:

Eu não sei nada sobre isso. Isso nunca aconteceu e tu sabes que é essa a resposta que eu tenho que te dar.

Ele também foi ao 5º convés e logo percebeu que, logicamente, como os detetives responderam, era impossível uma onda ter chegado até ali sem causar danos ao navio.

A teoria de suicídio foi descartada pelos investigadores privados e pela policia das Bahamas, já que no quarto dela estavam alguns bilhetes para o DisneyWorld em Orlando com os quais ela queria surpreender os pais. Ou seja, ela estava a fazer planos para o futuro, então seria pouco provável ela ter cometido suicídio. 

Os investigadores privados pediram à Disney as todas as gravações das câmaras de segurança daquele dia e a Disney demorou muito a entrega-las. Nas filmagem, diferente do que a Disney tinha dito antes, ela estava no 1º convés e não no 5º e não há filmagens dela a subir qualquer escada ou a entrar em qualquer elevador para ir para o 5º convés onde ela, supostamente, tinha sido arrastada para o mar. 

Em 2013, os pais da Rebecca decidiram processar a Disney por terem falhado no seu dever de proteger quem quer que estivesse dentro do navio e por terem esperado tanto tempo para alertar as autoridades.

Em 2015 a Disney não foi tomada como culpada e até hoje as instigações continuam.

 

4 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Akira

    Eu cá prefiro ver os Casados À Primeira Vista. Vol...

  • imsilva

    É verdade que se cria uma relação viciosa, quando ...

  • Sofia

    Boas leituras!

  • Luísa de Sousa

    Boa vida a da gatinha!

  • Hikarry

    Do I smell jealousy love?

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D