Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Esta é a Alex

Como já tinha dito aqui, recentemente a minha gata faleceu deixando todos os seus filhotes com apenas algumas semanas para trás. Todos foram dados para a possível morte, menos uma minúscula bola de pelo que me veio cair nos braços e eu consegui dar a volta para cuidar dela como ela merecia. 

Faz amanhã uma semana que aquele pequeno ser apareceu na minha vida e parece que já estou com ela à anos. 

Apresento-vos, oficialmente, a Alex.

Foto de má qualidade? Eu sei, mas isso é irrelevante.

Pelo que eu calculo ela deve ter pouco mais de 3 semanas, mas já é a gata mais forte e energética - e barulhenta - que alguma vez conheci. 

A pessoa que era para ficar com ela ainda a teve nas mãos, mas conhecendo aquela pessoa como eu conheço, não poderia deixar um ser tão inocente e frágil ter esse destino. Aquela pessoa já tinha tido um cão, um Golden Retriever que a filha dela trouxe sabe lá Deus de onde. Quem cuidou dele foi a filha, mas conforme foi crescendo, deixou de le ligar qualquer interesse e aquela pessoa simplesmente deixava o cão na rua à chuva, com o gelo que é em pleno inverno na Serra da Estrela. O coitado ficou cheio de carraças, raramente era alimentado e ela tratava-o com rudeza. Puxava-o pela cabeça e pelo rabo e eu simplesmente não consegui-a aguentar isso. Felizmente os meus avós maternos vieram busca-lo e levaram-no para uma quinta que eles têm com outros cães que eles também resgataram da rua e cuidam deles. 

A filha daquela pessoa já não mora lá em casa, então a pequena ficaria simplesmente à mercê daquela pessoa. Eu não podia deixar isso acontecer então expliquei a situação, dei as minhas voltas e lá consegui ficar com a Alex.

O problema é que ninguém a queria por perto. A minha mãe dizia para eu a deixar, a minha avó dizia que não queria mais gatas então eu assumi a Alex a 100%. Ninguém gasta um tostão com a gata sem ser eu ou cuida dela sem ser eu, a não ser que eu peça com muito jeitinho, ai lá me fazem o favor.

O meu irmão diz que é a "nossa" gata, mas quando chega o momento das coisas serias como alimentar, limpar as coisas delas e os acidentes, ele afasta-se...então, meio que é minha.

Tem sido difícil, pois só tenho uma semanada de 10 euros - não me estou a queixar, há gente que nem isso tem - e fica um pouco difícil pagar algumas coisas e mais as coisas para a Alex, mas por amor faz-se tudo.

A maneira como ela me persegue pela casa, como ela começa a miar mal ouve os meus passos quando chego a casa, o facto de que quando ela se assusta é para mim que vem é fantástico.

Eu acho que tenho um instinto maternal muito forte para com ela e a minha avó chega a lamentar o facto de que não pretendo ter filhos nem aqui nem na lua quando me vê a balouça-la nos meus braços para a fazer adormecer enquanto ela mama no meu dedo.

Sinceramente? Eu tenho um mau histórico, todo o meu histórico da depressão e tentativas de suicídio, mas a Alex deu-me uma nova razão para viver. Acordo entusiasmada para chegar a casa depois da escola e vir cuidar dela, adormeço entusiasmada pelo dia seguinte, começo a fazer planos de como possa fazer a vida dela mais confortável, dar-lhe do bom e do melhor.

Ela é a minha salvadora e eu a salvadora dela, a minha nova razão de viver.

Esta é a Alex.

19 comentários

Comentar post