Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

26
Mar17

Quantas mais primaveras


Hikarry

Vocês já pararam para pensar quantos dias já viveram e quantos dias ainda vão viver? É insano.

Pensem nas pessoas idosas - pelas quais eu nutro um enorme carinho -, elas já viveram tantos dias. Elas foram capazes de acordar e se levantar todos os dias até hoje. Passaram por muitas primaveras, passaram por muitas coisas e, mesmo assim, tiveram sempre a coragem suficiente para se levantar no dia seguinte.

 

Estou a passar pela minha 17º primavera e mal estou a aguentar. Não pretendo - e não vou - passar do meu 28º inverno e aquelas pessoas foram capazes de acordar e se levantar todos os dias para o começo de um novo dia.

Eu tenho imensos problemas - alguns mentais, confesso; outros não - e um deles é pensar que sou diferente das outras pessoas. Eu sei que não sou, mas, lá no fundo, eu sou.

Sei que essas pessoas idosas já passaram pelas ruas da amargura, já choraram muito nesta vida, já sofreram e mesmo assim suportaram tudo até agora e eu aqui, uma rapariga de 16 anos, a dizer que não vou chegar ao meu 28º inverno.

Eu sou diferente.

Eu sou igual a todos.

Eu sou estranha.

Eu não tenho muitas certezas daquilo que sou, daquilo que penso, daquilo que acho, daquilo que faço, mas tenho a certeza que sou uma romântica incorrigível e uma lutadora.

Este blog foi criado, maioritariamente, para eu desabafar e é isso que eu estou a fazer, embora eu sinta que a minha pequena audiência fique cansada de me ouvir dizer sempre a mesma coisa.

Sempre a dizer que nunca vou desistir de a ter de volta, sempre a dizer que a amo.

Porque será que repito isto aqui tantas vezes?

Para além de eu ter uma mania incontrolável de me repetir, praticamente ninguém ao meu redor acredita em mim quando digo que nunca vou desistir e que vou lutar até ao fim por ela e continuar a crescer e a tornar-me numa pessoa melhor para ela, então, eu acabo por me repetir muitas vezes aqui em relação a isso, porque acho - e tenho quase a certeza - que nem aqui alguém acredita em mim.

Desculpem por isso.

E, para variar, já sai do foco do post.

Não sei bem qual é o tema central deste post, para falar a verdade; eu simplesmente estava a olhar para a minha avó enquanto ela conversava com o meu pai e pôs-me a pensar em toda a dor pela qual aquela mulher que eu tanto adoro já passou e, mesmo assim, teve a bravura de viver, de se levantar todos os dias da cama.

Não sou tão forte como ela.

Eu respeito e tenho muito orgulho da pessoa corajosa, amorosa e inteligente que aquela mulher é.

Tal como todos os outros idosos que já passaram por tantas primaveras.

Como é que eles conseguem?

Porque eu não vou conseguir e, não importa o que digam - nunca importa - ninguém sabe melhor como trabalha esta maquina do que eu própria. 

Sou teimosa, eu sei, mas eu sei como funciono. Infelizmente só tenho 16 anos e já vivi muito, cresci um bocado depressa demais e isso fez-me perceber quais são os meus mecanismos.

Quantas mais primaveras aguentas tu?

 

6 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Nuno

    Pois era! :)

  • Hikarry

    Uma boa comédia diária

  • Hikarry

    Ahah é espantoso o que se encontra por ai!Obrigada...

  • Hikarry

    Rir? Certamente. Também acho que é para isso que s...

  • Hikarry

    Olha que isso é que era uma ideia de valor!

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D