Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

15
Abr19

Casos Misteriosos: A fuga da Alcatraz Prison #14


Hikarry

A Ilha de Alcatraz, que em tempos tinha servido como base militar, foi aberta como prisão federal de segurança máxima em 1934 sendo conhecida como "A Rocha" porque a prisão ficava no topo de uma rocha com 8 hectares a quase 2 quilómetros de distancia da costa de São Francisco (USA). Era pensado que seria impossível fugir desta prisão já que ela está completamente rodeada de água a 9ºCelsius durante todo o ano.

John Willian Anglin, Clarence, Frank Morris e Allen West foram os prisioneiros que planearam a fuga.

Eles criaram cabeças falsas feitas de cimento e sabão, pintaram-nas, colaram-lhes cabelos humanos e deitaram-nas nas camas de cada um para enganarem os guardas.

O esquema só foi descoberto na manhã seguinte quando o sino da manhã tocou e os guardas repararam que aqueles quatro prisioneiros ainda não se tinham levantado; um deles foi ao quarto do John e empurrou a cabeça falsa fazendo-a cair no chão.

Durante os meses anteriores, os prisioneiros tinham feito pequenos túneis nas paredes de cada uma das respetivas celas com colheres roubadas da cozinha e uma broca feita com um motor de aspirador velho que eles cobriam com instrumentos musicais e tampas de cartão.

O único que não conseguiu escapar foi o Allen porque não conseguiu fazer o túnel na parede. 

Os outros três homens escalaram para o telhado da prisão através de tubos de ventilação e desceram para o lado de fora da mesma maneira. Escalaram a barreira de quase 5 metros e andaram até à praia norte da ilha. 

Nos meses anteriores, os prisioneiros também tinham construido coletes salva vidas e uma jangada de borracha todos feitos de casacos da prisão.

O plano era navegar pela baía de São Francisco até Angel Island, não muito longe da Ilha de Alcatraz; daí eles iriam navegar de novo em direção à terra firme. Lá eles roubariam um carro e roupas.

O FBI foi colocado no caso e fizeram uma intensa busca mas nem os prisioneiros nem a jangada foram vistos novamente. 

Muita gente pensa que os homens escaparam e conseguiram sobreviver ou que morreram na sua jornada em direção a terra firme, mas nenhuma dessas teorias foi confirmada ou negada até hoje.

10
Mar19

Casos Misteriosos: A morte de Carole Lombard #13


Hikarry

Carole Lombard nasceu a 6 de outubro de 1908 em Fort Wayne (Indiana, USA).

No inicio dos anos 40, Carole era a atriz mais bem paga nos Estados Unidos e era casada com o homem mais influente do cinema da altura, Clark Gable.

Quando os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra em 1941, Carole era extremamente patriota e decidiu ir numa turné pelo país para conseguir dinheiro extra para auxiliar As tropas Norte Americanas no terreno. A sua mãe e o agente do marido foram com ela.

Quando estavam na sua terra natal no Indiana, Carole queria voltar para a Califórnia para estar algum tempo com Clark, então comprou bilhetes de avião para todos voltarem a Los Angeles. 

A mãe dela era um pessoa extremamente supersticiosa e interessava-se muito por numerologia; quando se apercebeu que o voo onde iam embarcar era o numero 3, ela disse a Carole que aquele era um numero extremamente azarado e que seria melhor apanhar outro voo. O depoimento da mãe foi apoiado pelo agente do marido, não por acreditar no numero azarento, mas porque tinha medo extremo de voar e aconselhou que talvez fosse melhor ir de comboio ou num carro particular.

Carole sugeriu que atirassem uma moeda ao ar e ela ganhou, levando o plano do voo adiante. 

As suas ultimas palavras para o publico foram:

Antes de me despedir, juntem-se a mim nesta enorme celebração: V de vitoria!

O avião onde eles seguiam embateu com um pico montanhoso em Table Rock Mountain (Nevada, USA) a 16 de Janeiro de 1942, levando consigo a vida de todos os que se encontravam a bordo (22 pessoas no total).

03
Mar19

Casos misteriosos: O desaparecimento de Kyle Fleischmann #12


Hikarry

Confesso que meio que me tinha esquecido desta rubrica...mas está de volta!

Kyle Fleischmann vivia em Charlotte (Carolina do Norte, USA) e foi dado como desaparecido em 2007.

Kyle estudava Administração de Empresas na Elon University; todos o descreviam como uma pessoa muito afável e carismática; simplesmente uma pessoa com que facilmente todos se davam bem. 

Antes do desaparecimento, a família Fleischmann tinha acabado de descobrir que a mãe da família tinha cancro de mama e Kyle prometeu à mãe que eles superariam aquele problema juntos.

Antes da primeira cirurgia da mãe, Kyle levou-a, juntamente com a irmã (Noelle) e alguns amigos, a ver um espetáculo de comédia. Esse espetáculo seria no dia 8 de Novembro de 2007 e então encontraram-se todos na casa do melhor amigo de Kyle, Daniel, antes de irem para o espetáculo. Depois do espetáculo, Kyle foi com mais alguns amigos a um bar chamado Buckhead Saloon.

Perto da uma da manhã, Daniel decidiu voltar para casa porque ia trabalhar no dia seguinte e, quando foi procurar por Kyle, encontrou-o a conversar com uma rapariga. Daniel perguntou-lhe se ele queria vir embora com ele ou ficar mais um bocado e ele respondeu que preferia ficar por enquanto.

Ás 2:20 da manhã, uma câmara de vigilância do bar mostra Kyle a conversar com a tal rapariga e depois 3 homens aparecem e parece que eles estão a ter uma discussão. Uns minutos depois disso, Kyle é visto a sair do bar, deixando o cartão de credito e o casaco para trás. Segundos mais tarde, a rapariga de antes aparece e ambos atravessam a rua a conversar.

O ultimo sitio onde Kyle foi visto foi num restaurante 24 horas onde ele apareceu, sozinho, perto das 3 da manhã. 

Às 3:28 da manhã, Kyle fez o total de 8 chamadas telefónicas entre o numero da empresa do pai, o numero pessoal da irmã, o numero de Daniel e os números dos colegas de quarto, sendo que cada chamada demorou no máximo 3 segundos, o que no máximo dá para um toque, e nunca deixou nenhum voicemail. 

De manhã, toda a gente lhe tentou ligar de volta, mas as chamadas iam diretamente para o voicemail. 

Daniel começou a perceber que algo estava errado porque o carro de Kyle ainda estava na casa dele (eles tinham ido de táxi para o espetáculo), então ele ligou aos colegas de quarto do melhor amigo, que lhe confirmaram que ele nunca tinha chegado a casa na noite anterior. 

A policia telefonou e enviou fotos do Kyle a todas as agências de táxis da cidade na esperança que alguém o tivesse visto e um taxista disse que sim, que o tinha visto numa daquelas zonas manhosas que toda a cidade tem.

Depois disto, a policia começou a investigar as chamadas telefónicas. Eles rastrearam todas as chamadas e todas mostravam que ele estava a encaminhar-se para um parque (Cordelia Park) que era na tal zona manhosa que o tal taxista tinha dito antes. Aquele parque era conhecido por ser o "habitat natural" de muitos traficantes de droga e membros de gangs.

A policia calculou que perto das 4 da manhã o telemóvel de Kyle tinha ficado sem bateria, porque o ultimo sinal emitido pelo telemóvel foi feito, literalmente, a um metro da entrada do parque.

Centenas de pessoas procuraram por ele dias depois de ele ter sido dado como desaparecido. Dois cães de busca foram colocados no caso e um deles levou a policia pelo mesmo caminho que já era previsto, até ao Cordelia Park. Eles não tiveram muito tempo para continuar as buscas dentro do parque em si com os cães, por causa daquele parque ser um local perigoso, mas um dos policias que estava com os cães falou com um sem abrigo que afirmou que Kyle tinha sido morto naquele parque, mas que ele não tinha a certeza de onde tinham metido o corpo.

As buscas continuaram no dia seguinte e os cães levaram-nos do parque a uma área de obras, mas nunca encontraram nada. 

31
Jan19

Casos misteriosos: O caso do Batman #11


Hikarry

Dolly Oesterreich e Fred Oesterreich. 

Como a maioria dos casais, Dolly e Fred discutiam às vezes; mas o que me leva e trazer este caso aqui ao blog é um simples detalhe: Dolly teve um amante escondido no sótão durante 10 anos. 

Fred foi para o trabalho e, umas horas depois, Dolly ligou-lhe para mandar alguém lá a casa para concertar a maquina de costura e Fred enviou um jovem rapaz que trabalhava na sua fabrica chamado Otto Sanhuber. E assim começou um caso que durou por quase 10 anos.

O som da cama a bater contra a parede e os gemidos de Dolly no meio da tarde deixaram alguns vizinhos desconfiados, porque Fred trabalhava o dia inteiro, então Dolly decidiu esconder Otto no sótão. Ideia com a qual Otto concordou.

Ele passava o tempo a ler, a escrever historias de aventura e a fazer gim numa banheira que lá estava.

Nessa altura o casal ainda morava na Alemanha e 13 anos depois eles mudaram-se para Los Angels, sendo que Dolly só aceitou mudar-se se a casa tivesse um sótão.

Dolly mandou Otto para Los Angels antes dela e do marido e quando eles chegaram à sua nova casa, Otto já estava no sótão, onde ficou durante mais 4 anos.

Na noite do dia 22 de Agosto de 1922, Otto saiu do seu esconderijo com um revolver quando ouviu Fred e Dolly discutirem. Eles começaram a lutar e, eventualmente, Otto acabou por dar um tiro em Fred e vários outros depois do corpo já estar sem vida, enquanto Dolly permanecia em silencio, apenas a observar o que estava a acontecer, completamente calma.

Ela começou a desarrumar a casa e a esconder coisas para que, quando a policia chegasse, eles pensassem que fosse um assalto.

Quando a policia chegou, Dolly estava trancada dentro do armário do quatro aos prantos, então eles descartaram-na como suspeita. Eles não viram mais ninguém nas redondezas e, com os objetos desaparecidos, eles classificaram o assassinato como efeito colateral de um assalto, embora eles começassem a ficar com duvidas depois de interrogarem Dolly e ela afirmar que ela e Fred nunca discutiam.

Em 1930, a verdade foi descoberta; Otto foi acusado com o assassinato de Fred e a Dolly foi acusada de ser cúmplice num assassinato. 

No principio, Otto disse que amava Dolly e que só cometeu o crime porque estava preocupado com a segurança dela, mas, mais tarde, ele começou a afirmar que ela o mantinha no sótão como um escravo sexual.

Mesmo depois de admitirem o que aconteceu, eles foram soltos.

O caso ficou nomeado como "O caso do Batman", porque Otto passou uma boa parte da sua vida num sótão.

 

26
Jan19

Casos misteriosos: O fantasma mais belo de Nova York #10


Hikarry

Hoje não é assassinato ou desaparecimento, apenas bizarria; então, apertem os cintos e deixem as vossas mãos dentro do veiculo. Obrigado pela preferência. 

Olive Thomas foi uma atriz de filmes mudos de 1916 a 1920.

Olivia R. Duffy, como era realmente o seu nome, nasceu a 20 de Outubro de 1894. Ela era a irmã mais velha numa família com 3 crianças, ajudando o mais que podia a cuidar dos irmãos durante a sua adolescência.  

Quando fez 16 anos casou-se com Bernard Krung Thomas, mas, depois de um ano, eles divorciaram-se e em 1914 ela mudou-se para Nova York.

Ela trabalhou numa loja durante um ano e, mais tarde, ela encontrou um cartaz que anunciava o concurso para tentar descobrir a rapariga mais bonita de Nova York. Ela participou e ganhou. Com o titulo que o concurso lhe deu, ela rapidamente arranjou trabalho como modelo. Ela foi pintada varias vezes por vários artistas e apareceu em varia capaz de revista. 

Em 1915, ela juntou-se aos Ziegfeld Follies, um grupo de teatro que atuava na Broadway.

Com o seu trabalho como modelo e as fantásticas performances como atriz teatral, ela rapidamente foi cotada para vários filmes, sendo o seu primeiro em 1916.

Também foi em 1916 que ela conheceu Jack Pickford.

Jack Pickford era uma estrela de cinema grandiosa na altura e era conhecido como um sedutor. 

Olive também se tornou numa estrela desse calibre rapidamente com os filmes Indiscreet Corrine (1917) e Limousine Life (1918). 

Casou-se com Jack em 1916, mas nunca adotou o nome de família dele, pois não queria que a sua crescente fama fosse associada a ele, mas sim ao duro trabalho que ela fazia e ao talento que tinha. 

O maior filme da vida de Olive estreou em 1920, The Flapper

No final de 1920, o casamento entre ela e Jack, que parecia perfeito, começou a ter alguns problemas depois de ele se ter alistado na guerra, então eles decidiram ir numa segundo lua de mel para Paris durante um mês. 

No dia 10 de Setembro de 1920, Jack e Olive tinham acabado de chegar ao Ritz Hotel vindos de uma noite de festa, bebida e diversão. Olive começou a queixar-se muito de uma dor de cabeça, foi à casa de banho e tomou a garrafa errada, acabando por morrer envenenada.

Em vez de tomar uma aspirina, ela ingeriu cloreto de mercúrio que era usado, na altura, como material de limpeza. Ambos vinham na forma de pó e tinham garrafas muito parecidas. 

Algumas pessoas pensam que Jack a assassinou, outras pensam que ela se suicidou, mas isso não vem ao caso agora porque, eu, pessoalmente, penso que foi apenas um acidente. 

Ela está sepultada no Woodland Cemetery (Nova York, EUA).

O Amsterdam Theatre era onde o grupo em que ela participava atuava e em Maio de 1997 ele foi reaberto e reconstruido e as pessoas dizem que Olive Thomas não gostou disso nem um bocadinho. 

Um tempo depois da reconstrução começar, um segurança, às 2:30, ligou ao dono do teatro totalmente em pânico dizendo que ele tinha visto uma mulher com vestido verde, um chapéu e uma garrafa azul na mão. Ele disse que a chamou, ela olhou para ele e desapareceu pela da parede. Mais tarde, o segurança viu uma foto de Olive Thomas e disse que aquela era a mulher que ele tinha visto. 

Vários outros seguranças dizem ela falava com eles de uma forma sedutora para depois desaparecer quando eles se viravam para ver quem estava a falar. Isso só acontecia com homens, então, até hoje, os únicos seguranças no teatro são mulheres,que nunca viram o fantasma. 

No inicio dos anos 2000, o diretor do teatro começou a trazer peças originais do grupo de Olive para cena e foi a partir dai que as coisas começaram a ficar loucas.

As vassouras e as esfregonas nos bastidores do palco começavam a tremer do nada; coisas desapareciam e apareciam misteriosamente, quadros e retratos eram arrancados das paredes.

Desde esses incidentes, há imagens da Olive em todas as paredes do teatro e, quando os trabalhadores chegam ao teatro, todos desejam bom dia a um qualquer quadro da Olive e, quando saem, todos desejam boa noite. Desde que eles começaram a fazer isso, as coisas estranhas deixaram de acontecer. 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D