Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

14
Dez18

Mudar


Hikarry

Passei dois anos num projeto de crescimento mental. Amadureci, cresci, mudei.

Mas será mudar assim tão mau como dizem?

Normalmente as pessoas dizem isso quando deixas de agir como agias antes, o que faz sentido, mas será por isso mesmo, ou porque deixaste de agir como elas queriam? 

Já ouvi a frase "Tu mudaste" só nestes dois anos mais do que eu própria consigo contar.

Tudo muda e evoluiu à nossa volta, porque é que connosco deveria ser diferente? Mais cedo ou mais tarde tempos que abrir os olhos e sair da cepa torta. 

Sinto que todo este crescimento que fiz me fez bem. Tornei-me mais racional, mais calma, é extremamente difícil alguém me enervar e tirar-me da minha lógica. Adoro ter debates filosóficos sobre tudo e sobre nada e nunca pensei que me sentiria tão bem ao colocar a minha opinião em pratos limpos e lutar por aquilo que acredito sem medos. Dizer tudo o que penso sem rodeios, protegendo a minha própria sanidade, nunca fugindo aos meus princípios. Como os cristão dizem "Se nem Jesus agradou a todos, como é que eu agradaria?".

Estas mudanças só trouxeram bem à minha vida e não me arrependo de nada, apenas em alguns momentos de mais solidão me arrependo de ter deixado o meu objetivo de vida anterior de lado.

Eu passei grande parte de tempo com medo de mudar, com medo de seguir em frente e fui me atolando na própria miséria que era a minha mente e na dor que sentia, mas quando olhei para cima e vi todo um mundo ao meu redor com novas oportunidades, decidi mudar. 

Eu arrisquei e mudei aos poucos ao longo de todo este tempo.

Se voltaria a passar por todo este sofrimento porque passei? Não. Nem em sonhos. Sentir a tua vida a correr por entre os teus dedos, a fugir de ti, é uma das piores sensações que existem. Pensar no abismo escuro que a todos nos espera dia após dia é atormentador e roubou-me muitas noites de sono, mas, verdade seja dita, se não fosse todas essas noites de sono que perdi a chorar agarrada à almofada, eu não seria a mulher que sou hoje.

E sim, digo mulher e não miúda. Posso ter 18 anos, mas tenho plena noção que a minha mente está muito além e não me importo do quão narcisista pensem que sou.

"Tu mudaste" será uma frase que me seguirá para o resto da vida e não quero parar por aqui. Quero mudar mais, aprofundar os meus conhecimentos, ter uma voz nas minhas caudas, fazer a diferença.

E continuar a sentir o meu peito cheio sempre que me dizem "Tu mudaste. Estás feliz novamente."

07
Ago18

Oh Vida


Hikarry

Eu desapareci durante vários meses sem dar qualquer explicação, sem motivo e eu acho que merecem um update.

Sim, ainda estou na minha depressão.

Voltei aos palcos e estreei a minha ultima peça no ultimo dia 3 de Agosto (e correu super bem). Fiz 5 personagens, por conta da falta de elenco, mas estou muito orgulhosa de cada uma delas e nenhum de vocês consegue imaginar o quão feliz eu estou de ter voltado ao sitio onde me sinto completa com os meus companheiros de palco com os quais eu adoro contracenar e, claro, com companheiros novos que rapidamente se integraram.

Ando a explorar novas versões de mim. Ainda não tenho a certeza de quem sou. Neste momento estou a explorar a minha parte mais masculina e, sinceramente, é na qual me estou a sentir melhor. Sinto me livre, confiante, escondida por detrás dos meus vermelhos, pretos, azuis. 

Entreguei-me novamente à leitura e à musica e aos meus amigos, que agora me vão deixar para ir para a universidade enquanto eu vou para o 12º.

Sim!! Eu passei! Finalmente eu passei e vou seguir em frente! Infelizmente, é pouco provável que me torne em enfermeira, como sempre sonhei, mas já tenho plano B, C, D e vocês sabem como funciona o alfabeto.

E, finalmente, desapareci porque estava com uma espécie de crise existencial, extremamente ocupada a fazer nada.

Eu não queria existir. Estes meses todos (5, se não me engano), passei-os deitada na cama a olhar para o teto. Quando as pessoas falavam comigo eu respondia super fria e apática ou começava a tirar uma filosofia dali bem estilo Sócrates como se tivesse fumado alguma coisa menos boa.

Depois eu apercebi-me que estava a desperdiçar a minha vida, mas não fiz nada quanto a isso. Em vez de me mexer, chorava sobre o leite derramado e lamentava-me, mas, eventualmente, graças a uma boa estalada do destino, eu abri os olhos e vi o quão dramática e ridícula eu estava a ser - e sou, na maior parte das vezes.

Levantei-me da cama, fui para o sofá e vi TV.

Pelo menos levantei-me da cama, mudei de ambiente, mas as coisas acabaram por evoluir e eu fui saindo com os meus amigos, comecei em ter prazer naquilo que faço, como o teatro, o meu piano, tirar as minhas fotos, ler, voltar a escrever as minhas historias para consumo pessoal e o blog!

Então considerem o estaminé oficialmente aberto - novamente - aos fregueses!

Eu não sou a única no mundo assim e, acredito que, com a idade, as crises existenciais venham a acontecer mais frequentemente - corrijam-me se estiver errada. Todos temos o direito de mergulhar no poço uma vez ou outra, não podemos é deixar que a corda para voltar para cima se parta.

Vou assumir a posição de boa psicóloga de 17 anos no mundo da blogosfera e permitir uma descaída de um ou outro companheiro deste nosso meio se me prometerem voltar ao de cima.

10
Abr17

Férias? 'Que isso?


Hikarry

As aulas terminaram quase à uma semana, mas eu ainda não aproveitei nada.

Para minha alegria, tenho exames de biologia e química no final deste ano e já se tem que estudar e ainda tenho trabalhos de filosofia e português para fazer.

Ainda não comecei nenhum dos dois, pois considero os exames mais importantes, mas também por ser extremamente desorganizada e não conseguir conciliar os trabalhos com o estudo exaustivo.

A coisa não está a correr nada bem; a Arya, que é uma excelente aluna, um dia disse-me que estuda até sentir que já chega e então vai fazer as outras coisas, mas eu nunca "sinto que já chega"; eu não consigo fixar o que estudo. Para entender uma frase, tenho que a ler 3 vezes em voz alta, a gesticular com as mãos e em completo silêncio. A minha cabeça está horrível e a ansiedade não ajuda nada. Não me consigo concentrar. Tenho comprimidos para tomar, mas, para isso o meu pai precisa de falar com a minha psicóloga, mas ele não vai acreditar, pois ele não acredita em "depressões"; para ele, isso é só fita.

E é isto.

Estas ferias estão ser horríveis...cada vez mais...

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • bii yue

    Muita boa sorte! Aproveita os melhores anos da tua...

  • Hikarry

    Toda a gente me está a dizer isso e espero que sej...

  • Hikarry

    Ahah Obrigada

  • Hikarry

    Muito obrigada

  • Hikarry

    Muito obrigada Marta Espero que estejas melhor

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D