Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

20
Mar17

Um pequeno problema português


Hikarry

Ontem, como todos sabem,  foi o dia do pai. Tenho a sorte de ainda ter o meu, pelo qual nutro um enorme carinho e que já ficou todo feliz quando lhe dei um abraço e desejei um feliz dia do pai; não precisou de mais nada para ficar feliz o resto do dia.

Ora bem, fomos visitar os meus avós paternos (que moram praticamente do outro lado da estrada), para o meu pai estar um bocado com o meu avô e depois fomos visitar os meus avós maternos, que ainda moram um bocado longe, para a minha mãe fazer o mesmo.

 

Estávamos todos na sala. Os "adultos" a conversar e eu e o meu irmão encantados com o cão bebé, que eles acolheram recentemente, a brincar com ele no chão, quando uma frase me chamou à atenção.

Avô: Olha, sabias que a tua prima Carolina já namora? Que vergonha! 15 ou 16 anos e já a namorar! Onde é que isso já se viu!

Incomodou-me, mas deixei-me estar calada; olhei para o meu pai, que revirou os olhos (por também não concordar) enquanto a minha mãe toda eufórica debatia o assunto a concordar com o meu avô (e possivelmente esquecendo-se que eu - a filha dela - começou a namora-la com 14 anos).

Enfim, deixei-me estar calada e passado um pouco o meu pai arranjou uma desculpa qualquer para irmos embora, mas, antes de fazer-mos o caminho de volta para casa, como não podia deixar de ser, fomos visitar a minha tia - onde demoramos sempre uma eternidade porque ela e a minha mãe não se calam e eu e o meu pai ficamos a apanhar um grandessíssima seca.

Lá começaram elas a fazer o mesmo de sempre: a falar sobre as maleitas que as tem atingido, sobre o trabalho, sobre terem roubado a carteira ao meu avô, a falar mal dos outros membros da família pelas costas; quando a minha mãe se sai com:

Mãe: Olha lá, sabias que a Carolina já está a namorar?

Tia: A namorar e a namorar bem! Não foi escolher um qualquer, é filho de doutores! Aquela rapariga é mas é esperta! Mas aquilo não dura muito, é muita areia para a camioneta da coitada e blablablá.

E eu comecei a passar-me, olhei para o meu pai, que compreendeu o que eu ia fazer a disse que sim com a cabeça.

Eu: Ouçam lá, e que tal se meterem nas vossas vidas e deixarem a miúda em paz? Lá têm vocês que estar a falar alguma coisa sobre a vida da rapariga? Vocês têm alguma coisa a ver com isso? Tomem conta da vossa vida, minhas senhoras.

E elas ficaram caladas, até que a minha tia balbuciou um "Tens razão, minha filha...tens razão...", mas passado um pouco já estavam a falar sobre a vida de mais alguém e lá deram a volta para voltar a falar sobre a minha prima, mas ai eu calei-me e sai com o meu pai para a varanda.

Infelizmente, os tugas têm muito esta mania de se meter na vida dos outros e acho que já está na altura de parar. Já não somos nenhumas velhas que vão à igreja só para fazer figura e depois falar mal de tudo e de todos nas costas.

Aprendam a cuidar da vossa própria vida e aposto que assim o mundo seria um lugar um bocadito melhor.

 

3 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Nuno

    Pois era! :)

  • Hikarry

    Uma boa comédia diária

  • Hikarry

    Ahah é espantoso o que se encontra por ai!Obrigada...

  • Hikarry

    Rir? Certamente. Também acho que é para isso que s...

  • Hikarry

    Olha que isso é que era uma ideia de valor!

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D