Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

Little Crushed Heart

Aquilo em que me tornei

24
Ago19

Uma semana de viagem...Kinda


Hikarry

Resumão da viagem como se alguém se interessasse? Resumão da viagem como se alguém se interessasse!!

Era suposto só ter ido no dia 17, mas fiz as malas no dia 16, meti-as na auto caravana e lá fui eu e os meus avós em direção à Praia de Mira. Não passaram 15 minutos e estávamos a parar na beira da estrada a telefonar ao meu pai porque a minha avó se esqueceu da mala dos medicamentos em casa. OH BOY, já estava a começar bem.

Continuámos o nosso caminho e, depois de uma hora e tal de karaoke e cantoria que os meus pobres avós tiveram que aturar da minha parte (juntamente com todos os cantores que fizeram fila na Radio Renascença para me acompanhar) chegámos ao destino. 

Primeira paragem? Zona do estacionamento das auto caravanas. Não é interessante, mas foi o que aconteceu e eu sou fiel aos meus relatos. 

Segunda paragem? Volta pela beira mar.

Fomos para o centro da cidade e eu fiquei fisgada no bar Irlandês que está escondido numa rua (e o qual eu já estava a namoriscar à quase 4 anos). Como os meus avós são uns baris lá fomos nós à noite para o bar. A minha avó ficou aborrecida porque não gostou de nada enquanto eu e o meu avô emborcamos uma Guiness, uma cidra e alguns shots cada um (vocês queriam ter um avô como o meu, eu sei...pelo menos até ele se começar a meter com a rapariga que nos estava a atender. Nessa parte eu gostava de me ter transformado num duende e ter voado de volta para a Irlanda dentro do meu pote de ouro conduzido por arco-íris).

No domingo fomos para a Praia de Quiaios e não se fez grande coisa, honestamente. O mar estava revolto e não havia salva vidas jeitosas à vista, então optei por arregaçar as calças (sim, eu não fiquei em fato de banho porque o Senhor sabe como eu odeio este corpitcho que ele me deu), peguei na minha avô e fomos dar uma volta à beira mar enquanto ela protestava que não queria.

De segunda feira a terça fomos para São Martinho do Porto aka uma das minhas praias favoritas. 

Andei desesperada a correr tudo o que era loja à procura de uma camisola dos Queen e do livro da Família Addams e, como não encontrei nem um nem outro, juntei o melhor dos dois mundos e comprei um livro sobre o bae aka Freddie Mercury.

Foi divertido; fartámo-nos de andar, embora eu tivesse detestado a loja de crepes onde fomos nalguma ocasião de menos sanidade mental depois de ter percorrido TODAS as gelatarias do sitio à procura de Ben & Jerry's Cookie Dough.

Bem, perto de onde parámos a auto caravana havia um bar de franceses que era regido pelo pai e pelo filho, que deveria ter mais ou menos a minha idade. Não sei se o rapaz se engraçou pelo meu cabelo no ar por causa da maresia, pela minha cara lavada sem qualquer ponta de maquilhagem ou pelos sorrisos de conforto que eu lhe dava quando o meu avô era rude para ele, mas ele ofereceu-me um gelado e perguntou-me umas quinhentas vezes se eu iria ficar muito tempo e onde era a minha auto caravana. Gelado à pala!

Também foi em São Martinho do Porto que dei o meu primeiro e único mergulho da viagem, depois do meu avô me convencer a tirar as calças (eu estava com o fato de banho vestido por baixo a servir de t-shirt), pegar em mim e LITERALMENTE  me atirar ao mar no estilo "Vai baleia!".

Nos últimos dias fomos para Peniche encontrar-mo-nos com a minha tia e a minha prima. 

A gaja pegou em mim e quase que me atirou ao mar, se eu não tivesse pegado nela ao colo e a tivesse atirado primeiro. 

A minha prima é a típica prima boa, mesmo boa. Tão boa que só num pequeno passeio que fizemos pela beira mar e quando ela foi tomar um rápido duche nos chuveiros da praia, metade dos gajos ali presentes viraram ambas as cabeças na direção dela, medindo todo o corpitcho da moça. 

Bem, ela namora e tem um GRAVE problema de dar conversa ao pessoas. Aproveitei que estava com um anel parecido com a aliança de compromisso dela e do facto de ela estar totalmente à vontade com o facto de eu ser lésbica para a salvar de certas e determinadas situações (sendo muitas delas convites para sair ou tentativas mais abusadas) fingindo ser a namorada dela por umas horas. Foi divertido para cacete, lá terei eu que concordar, quando certos e determinados tipos olhavam para ela com desgosto e para mim com certa raiva.

Esse foi o relato, maltinha. Foi uma boa viagem se excluirmos a nossa (lendo-se "nossa" como "eu e a minha avó") busca por casas de banho, desespero ao tomar duches de água gelada na auto carava e o meu telemóvel nunca estar 100% carregado. 

10 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • bii yue

    Muita boa sorte! Aproveita os melhores anos da tua...

  • Hikarry

    Toda a gente me está a dizer isso e espero que sej...

  • Hikarry

    Ahah Obrigada

  • Hikarry

    Muito obrigada

  • Hikarry

    Muito obrigada Marta Espero que estejas melhor

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D